PADRE QUEVEDO FOGE DE DEBATE EM PORTO ALEGRE


Em 1983, o padre Quevedo esteve em Porto Alegre, para ministrar um daqueles tradicionais cursos, onde ele mais ataca o Espiritismo do que ensina parapsicologia. Foi no Colégio Rosário.

Só que um Jornalista Espírita se inscreveu para escutar as barbaridades do Quevedo. Lá pela metade do curso, não aguentando mais tantos ataques, o Jornalista se levantou e falou ao "caçador de enigmas" :

"Padre Quevedo, já que o senhor gosta tanto de desmascarar espíritas, convido o senhor a vir até Porto alegre na próxima semana, quando aqui estará o médium Divaldo Franco, assim o senhor aproveita e o desmascara também".

O padre Quevedo sorriu e disse :"...claro, aceito e vou desmascarar Divaldo". Só que o jornalista cansou de enviar faxs para o CLAP, Instituição fundada pelo Quevedo e nada do Padre, só desculpas esfarrapadas, "fugindo" do debate. Foi então que esse Jornalista escreveu um Livro que se chama "Uma fraude parasicológica", Autor : Nélson Ruas.

Inclusive Ele anexou ao Livro as cópias das desculpas do Quevedo, enviadas pelo CLAP. Nesse mesmo Livro, o Autor traz trechos dos Livros do padre, onde ele ( Quevedo ) acredita em cada absurdo que não dá para acreditar como ele ainda pede provas aos Espíritas. Por ex. : Ele prega que um menino foi morto queimado, só que um padre o revitalizou e o menino reviveu, por um milagre... Dá para acreditar ??? Isso tudo está nesse belíssimo livro do Nélson Ruas.

E a saga de desatinos de Quevedo não pára por aí. Aconteceu também em Porto Alegre. Não sei precisar a data, mas acredito que tenha sido em maio de 2000, quando o Pe. Quevedo foi ao Sul ministrar mais um daqueles "cursinhos de parapsicologia". Só que antes ele entrou em contato com a RBS, afiliada da Rede Globo, para que promovessem um debate entre ele e algum Espírita famoso do Rio Grade do Sul. Isso tudo com a intenção de aumentar o número de inscrições e o faturamento do seu "Cursinho", pois Quevedo achou que desmascarando um Espírita, promoveria o seu curso.

O debate foi marcado no programa "Polêmica", comandado pelo respeitado Repórter Lauro Quadros. Só que, o sr. Quevedo não contava que o Espírita convidado fosse o Jornalista Nélson Ruas, aquele mesmo do episódio em 1983, acima descrito. Esse Programa foi transmitido pelo rádio, com uma interativa por telefone. Novamente o Pe. Quevedo se deu mal, e a pesquisa registrou 67% a favor de Nélson Ruas e 33% para o Quevedo. O programa foi muito comentado, tanto que o Alamar Régis o divulgou e entrevistou Nélson Ruas no Programa "Espiritismo via Satélite".




A respeito de debates, não podemos deixar de mencionar o inesquecível Professor José Herculano Pires, que como jornalista utilizava-se do pseudônimo Irmão Saulo, o qual apresentou-nos, nos idos de 1967, uma jóia em forma de livro, de valor inestimável. Mais parece um livro de bolso, figurando entre as mais de oitenta obras que publicou, tanto na área de Filosofia, onde era Mestre, formado pela USP, premiado pelo trabalho filosófico “O Ser e a Serenidade”, quanto na extensa área doutrinária espírita onde foi considerado o Apóstolo de Kardec, graças à sua integridade e intransigente defesa dos princípios espirituais descobertos pelo Codificador.

Herculano foi o maior defensor do Espiritismo nas décadas de 70 e 80, debateu diversas vezes com detratores do Espiritismo principalmente com o Padre Quevedo. A Filosofia, as Escrituras, principalmente os Evangelhos, o Espiritismo e a Parapsicologia eram suas áreas preferidas, onde revelava todo o seu saber, naturalmente adquirido nas muitas existências dedicadas aos estudos. Por várias vezes debateu com o Padre Quevedo na T.V., demonstrando claramente as falsidades e subterfúgios de que este senhor utiliza-se para distorcer a Parapsicologia, com o firme propósito de combater o Espiritismo. O conhecimento do professor era fantástico e também sua calma para tolerar as leviandades de seu opositor, que até hoje continua enganando platéias que não conhecem a verdade dos fatos e que deixam-se levar pela sua inteligência usada ardilosamente e seus truques de mágica. Só o sensacionalismo, que que algumas Emissoras precisam para ter Ibope, para aguentá-lo embora as grandes Redes já perceberam que o resultado final é sempre desastroso em termos de audiência.

Além disso, a edição nº 2 do mensário espírita, editado na cidade de Ponta Grossa, Paraná, de outubro 2002, presta homenagem a Henrique Rodrigues, desencarnado, destacando na capa : “Padre Quevedo conheceu o calvário nos debates que teve com H. Rodrigues”. Henrique Rodrigues foi jornalista, correspondente da Rede Globo em Belo Horizonte, especialista em Eletrônica Médica, pela General Eletric X Ray, em Detroit, EUA. Especializou-se em Psicobiofísica e Parapsicologia, foi Presidente do Centro de Estudos Psicobiofísicos de Belo Horizonte. A lembrança de H. Rodrigues é apenas um alusão aos vídeos históricos que foram exibidos em comemoração aos 50 anos da Televisão Brasileira, destacando os debates que houve nos anos 70 entre o sr. Quevedo e o Professor Henrique Rodrigues, no programa apresentado pela atriz Bibi Ferreira, intitulado Bibi ao Vivo, que atingiu um dos maiores índices de audiência da década citada e onde o prestimoso parapsicólogo sacerdote não se saiu muito bem, ficando literalmente calado no debate televisivo da antiga Tupi. Quevedo ficou muitos anos sem aparecer na televisão. Só voltou porque o Henrique Rodrigues, já com 81 anos, não participava mais de Debates e desencarnou em agosto de 2002.





Voltar à Página Principal



www.000webhost.com